Home > Matérias > Entrevistando o handler Miguel Gondim

Entrevistando o handler Miguel Gondim

Quem – Miguel Gondim

Onde – OLINDA

Por quê? Ícone na criação de WHIPPET, Miguel recentemente foi agraciado com um cargo frente ao clube KCEP. Para além disso, Miguel é, também, handler dos mais valorosos, ostentando muitos anos de cinofilia.

E N T R E V I S T A

Cinofilia-BR – Como é ser handler e também criador? Sabemos que você é um criador que figurou entre os 10 melhores do Brasil em 2008, bem como que teve o canil de sua propriedade reconhecido por várias vezes o melhor do Nordeste. É fato?

2008

Miguel Gondim – Ser handler e criador ao mesmo tempo não foi uma opção, mas sim uma situação que foi colocada após a obtenção de vários resultados positivos, é claro. Todavia, não foi fácil, pois no começo alguns clientes não entendiam bem como seria ter um cão de outra raça e ter que disputar com os whippets nas finais.

De toda forma consegui resultados maravilhosos com os whippets e os cães de outras raças que apresento.

Quanto a estar entre os maiores criadores do País ou mesmo do Nordeste, isto é o máximo, pois ser reconhecido pelo seu trabalho é maravilhoso!

Cinofilia-BR – É verdade que você morou nos EUA? Por quanto tempo? Qual era, então, o seu plano de carreira profissional? Que frutos obteve dessa, digamos assim, aventura?

Miguel Gondim – Na verdade morei por várias vezes nos EUA. Quanto aos frutos, ainda os estou colhendo, pois lá a cinofilia é profissional e isso desencadeou um maior interesse pela profissão.

Cinofilia-BR – Como você vê a Cinofilia Atual?

2009

Miguel Gondim – Acho que a crise que abalou o mundo foi responsável por uma queda em relação ao número de cães , mas também entendo que o tempo fará com que tudo volte ao normal. Quanto à cinofilia nordestina, esta deu um passo muito importante em relação ao resto do país, porquanto tem colocado vários de nossos cães no topo dos rankings das raças.

Cinofilia-BR – Há alguém ou algo que tenha tido influência decisiva na sua carreira em cinofilia.

Miguel Gondim – quem me apresentou à cinofilia foi o meu amigo, Dr. João Emilio Cruz. Sempre digo, brincando com ele, que é ele o responsável.

7N8B2654_WEB

Cinofilia –BR – o que lhe chama a atenção na cinofilia mundial e Brasileira? (Isso falando na qualidade de criador da raça Whippet).

Miguel Gondim- que antes a nossa raça não era vista com o respeito que merecia , mas hoje temos cães maravilhosos, de vários canis, e isso me chama a atenção.

Cinofilia-BR – Tive a oportunidade de vê-lo trabalhando em eventos até altas horas, seja groomando, trimmando os cães. Qual a importância dessas atividades em exposições de cães de beleza?

Miguel Gondim – Vida de handler não é fácil; não temos horário nem tempo ruim. Não podemos perder tempo. Na verdade, as exposições são de beleza, então temos que deixá-los (os cães) maravilhosos.

Cinofilia-BR – Hoje o seu canil possui um site de Internet. É importante para criadores e handleres possuírem sites próprios? Em que medida?

Miguel Gondim – Claro que sim. Tenho o site há um ano e todos os dias recebo mensagens, pedidos de compras, pessoas interessadas na raça. Então, quem não tiver um site, que o faça. O mundo não vive mais sem a internet.

Cinofilia-BR – Você já foi convidado a ministrar curso de Handler. Aliás, o curso foi muito bom. Como você analisa a importância de tais cursos para os novos e para os futuros handlers? É muito difícil para os criadores apresentarem os seus próprios cães nas exposições? Quais as principais dificuldades que você pode assinalar em tais casos?

Miguel Gondim – é realmente muito importante receber dicas e se profissionalizar. Já dei cursos, aqui em Pernambuco, na Paraíba, no Ceará, no Rio Grande do Norte, em Alagoas, na Bahia, enfim. Foi muito bom, e é melhor ainda ver alguns handlers, que já fizeram cursos comigo, apresentando cães nas exposições.

Quanto à dificuldade, vai depender de cada um. Um tem tempo, outro não; um tem um cão que coopera, outro o cão necessita de mais condicionamento, que às vezes não é conseguido com os proprietários, enfim.

7N8B4423_WEB

Cinofilia – BR – Como você analisa o seu ingresso no Kennel de PE, na qualidade de diretor? Como você vê a atual cinofilia do Nordeste? Você aceitaria a incumbência de apontar novos rumos, novos caminhos, em direção ao futuro? Quais?

Miguel Gondim – Vejo com a maior tranquilidade, pois não sou só um handler, e sim criador e proprietário também. Acentuo que desejo o melhor para a cinofilia. Observe que acima falo que a nossa cinofilia tem crescido bastante e nos colocado a ponto de disputarmos com qualquer cão do sul.

Cinofilia-BR – Falando de profissão, por quê ser handler? Dá para nos contar a sua História no mundo da cinofilia?

Miguel Gondim – foi uma acomodação, pois nunca tive antes a intenção de sê-lo. Só que como sempre ia às exposições, colocando meus cães e fui conseguindo resultados expressivos, comecei igualmente a apresentar cães de amigos. Depois, quando fui morar nos EUA, fiz curso e passei a apresentar lá também. Quando retornei já me havia tomado um handler e, consequentemente, larguei tudo para ficar vivendo esta profissão.

Cinofilia -BR – Fale do momento mais marcante em sua vida de handler.

Miguel Gondim – Na cidade de Natal, quando ganhei meu primeiro BIS (best in show), com o Dr. Paulo da Mata, que era criador da raça.

Cinofilia-BR – Existe técnicas para o desenvolvimento do conjunto cão e handler (movimentação)? Fale sobre isso.

Miguel Gondim – sim , nós temos que pegar a movimentação do cão, e não o cão a nossa. Mas o mais importante é sabermos sobre a raça que estamos apresentando e sobre a movimentação a ela respectiva.

Cinofilia-BR – Comportamento animal e saúde dos animais. Até onde o handler tem responsabilidade com os cães? Como são os cuidados em seu canil, seja com seus animais, seja com os seus clientes? Quem é o seu veterinário? É importante ter contrato com um bom veterinário? Em que medida?

Miguel Gondim – a partir do momento em que você pega um cão para apresentar e mantê-lo em seu canil, você fica responsável por ele. No nosso canil, a responsável é a Dra. Teresa Newman, e é lógico que é muito importante termos um excelente profissional.

7N8B9972_WEB

Cinofilia-BR– Na qualidade de criador e handler, qual a vitoria mais marcante? Quais os números de sua vida profissional? – Quantos Best in Show na carreira?

Miguel Gondim – uma vitória muito marcante foi quando eu estava numa exposição na Bahia, com 5 pistas, e nosso cão, da raça Saluki, fez os cinco BIS, tendo disputado uma das finais com outro cão nosso, só que da raça whippet. Essa foi realmente marcante.

Observe que só com cães de nossa criação, temos cerca de 100 BIS; com o saluki, 50 BIS, e mais vários outros com câes de outras raças.

Cinofilia-BR – Gostaria que você falasse sobre os equipamentos que costuma usar, bem como sobre os cuidados básicos que se devem ter com os cães em recinto de exposição de beleza.

Miguel Gondim – o material é muito variado. Necessita-se de pentes, escovas especiais para cada tipo de pelo, pedras, rasqueadeiras, mesas, shampoos para cada tipo de pelo, enfim. O cão tem que estar sempre muito limpo, saudável e sobretudo feliz em estar ali.

Cinofilia-BR – Algum recado especial no sentido da melhoria da nossa cinofilia?

Miguel Gondim -sim. Os cães é que são as estrelas. Nós somos apenas coadjuvantes!!!!!!!!!!!!!!!!!

 

Cinofilia-BR – Alguma dica para quem está começando na profissão?

Miguel Gondim- humildade e amor aos cães.

Você pode gostar desta postagem
KCEPI – Kennel Clube do Estado do Piauí.
GOSTAR DE CÃES É O PRINCIPAL REQUISITO 
PARA SER UM BOM HANDLER – Flavio Werneck
Entrevistando o handler Claudio Cruz
Entrevistando o handler Wladyr Uchoa

Fazer um Comentário